Turismo | Com Prefeitura de Bonito | 29/01/2020 08h51

Turvamento das águas em Bonito diminui com ações

Compartilhe:

Barreiras para reduzir a velocidade e direcionar as águas tanto nas lavouras quanto nas estradas vicinais, conservação de estradas e maior rigor sobre os projetos técnicos de manejo e conservação do solo. Estas são algumas das medidas que estão ajudando a reduzir o turvamento dos cursos d’água das bacias dos rios Formoso e da Prata, mesmo após as chuvas que atingiram a região ao longo do mês de dezembro de 2019 e nas primeiras semanas deste mês.

Estes resultados das ações realizadas a partir do Decreto 15.197, de março de 2019, que disciplina o uso correto do solo na região de Bonito e Jardim, foram apresentados em reunião realizada na terça-feira (21), pela Câmara Técnica de Conservação de Solo e Água. A Câmara, instituída pelo mesmo decreto, é presidida pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e tem em sua composição representantes da Semagro, Agraer, Imasul, Agesul, Famasul, Fundação MS, Embrapa, Prefeitura Municipal de Jardim, Prefeitura Municipal de Bonito.

"O Governo do Estado tomou uma série de medidas emergenciais. Esse decreto foi intensamente discutido com produtores rurais, trade turístico, Ministério Público, entidades civis e prefeituras e determinou que as propriedades rurais localizadas em Bonito e Jardim, antes de implantarem novas atividades agrícolas, nos apresentassem um projeto técnico de manejo e conservação do solo e água. Nós recebemos 21 projetos de propriedades rurais e 18 deles foram aprovados com algum tipo de ajuste necessário para que o pedido fosse atendido, sem prejuízo ao meio ambiente ou à atividade econômica. Agora, esses projetos estão sendo monitorados e avaliados", comentou o secretário Verruck.

O secretário municipal de Meio Ambiente de Bonito, Edmundo Dineli, destacou que a região teve um período de temporada com pouca chuva, mas logo no começo do ano, por volta do dia 8 de janeiro, registrou chuva de 200 milímetros na nascente do rio Formoso. "O turvamento que observamos foi muito próximo daquele que nós víamos antes do episódio ocorrido no ano passado e o tempo de limpeza do rio foi de cerca de três dias. Esse é o indício de que as ações estão no caminho certo e que nós vamos lograr o êxito que almejamos", enfatizou.

Verruck lembrou do trabalho de conservação das estradas realizado pela Agesul, com orientação da Câmara Técnica, por meio da Agraer e do Imasul. "O Governo fez uma ação forte na questão da conservação das estradas, tanto que neste ano nós tivemos chuvas tão grandes quanto no ano passado, em termos de milímetros, e os pontos de turvamento foram praticamente zero no município. Agora, continuamos monitorando e mostrando que a ação foi efetiva", afirmou.

*Com informações do site Campo Grande News

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS